CLASSIFICADOS

FALA CIDADÃO

Participe

Participe do Fala Cidadão, nos envie sua reclamação ou elogio, de sua rua, bairro ou de nossa Atibaia, não esqueça de enviar fotos.

entre em contato pelo nosso E-mail
jornalestanc

0

CUIDADORA DE IDOSO

Serviços

tenho 10 anos de experiencia e referincia tenho curso de cuidadora de idoso e
curso tecnico nutriçao. tr. simone 97339-2981

a combinar

Classificados GRATUITOS

Novos/Usados

CLASSIFICADOS DO JORNAL ESTANCIA DE ATIBAIA,
E GRATUITO,
NOS ENVIE POR EMAIL
jornalestanciadeatibaia@gmail.com

R$0,00

Terreno em Atibaia

Vende

VENDE – TERRENO – CHACARAS BRASIL, (EM FRENTE A ESCOLA), COMERCIAL, 1000M², VALOR, 345MIL, TR. 9-4171-7001

R$345.000

Vende Sobrado em Condominio

Imovel

VENDE – SOBRADO EM CONDOMINIO, 90M², 2 SUITES, SALA, COZINHA AMERICANA, PROX. A LUCAS, GARAGEM COBERTA 2 AUTOS, TR. 9-4016-8983 ou 9-4009-1842 COM INGRID

485.000

Locação Apartamento

Atibaia

LOCACAO, APARTAMENTO COM 80M², PROXIMO A LUCAS, 2 DORMITORIOS (1SUITE), 2 VAGAS NA GARAGEM, TERREO COM QUINTAL. TR. 9-4735-7651

com Jessica

Pesquisa sobre o consumo de álcool durante a pandemia.

Entre 33 países, o Brasil teve a maior porcentagem de pessoas entrevistadas que relataram exagero no consumo de álcool. O Brasil teve o maior número de entrevistados da pesquisa, 3.799 pessoas, representando 30,8% da amostra total. Os resultados mostram que 74% dos brasileiros beberam durante a pandemia - maior percentual entre todos os países - e 42% desses praticaram "beber pesado episódico" (binge, na expressão em inglês).

O "beber pesado episódico" é definido, segundo a pesquisa, quando a pessoa consome mais de 60 gramas de álcool puro em pelo menos uma ocasião durante os últimos 30 dias. Esse limite foi estipulado para abranger quem consome álcool em quantidade suficiente para resultar em intoxicação ou algum dano, levando em conta as diferenças entre grupos sociodemográficos e podendo ser menor para subgrupos mais vulneráveis, como mulheres e pessoas com problemas de saúde, por exemplo. O "beber pesado episódico" foi mais prevalente entre os entrevistados mais jovens, e o aumento na frequência foi registrado com maior incidência entre rendas mais altas.

À medida que os índices de ansiedade, medo, depressão, tédio e incerteza passaram a ser mais comumente notificados durante a pandemia, o consumo de álcool também cresceu. A presença de quadros graves de ansiedade aumentou em 73% a chance de maior frequência no consumo.

O webinar contará com a apresentação dos resultados completos da pesquisa pela doutora Zila Sanchez, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Também serão mostrados os dados da "Experiência regional de enfrentamento à Covid-19 e ao uso nocivo do álcool", por Maristela Monteiro, representante da OPAS, e haverá um debate com a participação de Catarina Dahl (OPAS) e Soraya Romina, subsecretária de Políticas sobre Drogas da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social de Minas Gerais.

A pesquisa da OPAS foi realizada no período de 22 de maio a 30 de junho de 2020 por meio de questionário online anônimo padronizado, em inglês, espanhol, português e francês. Utilizou-se o software Qualtrics, com 23 mil participantes de 18 anos ou mais, residentes em um dos 33 países da América Latina e do Caribe e que não viajavam para fora de seu país desde 15 de março. As 55 perguntas cobriram as seguintes áreas: dados demográficos; informações relacionadas à Covid-19, incluindo medidas de precaução tomadas; impactos na saúde mental, incluindo sintomas emocionais negativos e sentimentos nos últimos 14 dias; consumo de álcool em 2019 e durante a pandemia. A enquete foi distribuída através das plataformas de comunicação da OPAS, incluindo Facebook, Twitter, Rede Pan-Americana para Álcool e Saúde Pública (PANNAPH), Coalizão do Caribe Saudável e Coalizão Saudável da América Latina, bem como por meio da Assessoria do Departamento de Saúde Mental e Doenças Não Transmissíveis.

De acordo com a pesquisa, os níveis de consumo de álcool nas Américas são mais altos do que a média global, revelando-se um importante fator de risco para mortalidade e morbidade nessa região. Em termos de carga de doença, o álcool causou aproximadamente 379.000 mortes (6,5% de todos os óbitos). Representa ainda riscos agudos e crônicos à saúde e está associado a um maior perigo de enfraquecimento do sistema imunológico, o que pode tornar os indivíduos mais suscetíveis a contrair doenças infecciosas, incluindo a Covid-19. O álcool é frequentemente usado para socialização e, por algumas pessoas, para lidar com emoções difíceis.

Ao longo dos últimos oito anos, o beber episódico pesado entre aqueles que consomem bebidas alcoólicas aumentou em 12%, sendo esse índice maior entre os homens, embora as mulheres tenham elevado o consumo em uma taxa mais rápida do que a dos homens. O álcool foi o segundo maior risco comportamental para óbitos em homens e o quinto principal fator comportamental para mulheres. Se essas tendências permanecerem inalteradas, mais de 1 milhão de pessoas morrerão devido ao uso de álcool nas Américas em 2025.

Image-empty-state_edited_edited_edited.j
Image-empty-state_edited_edited_edited.j
Image-empty-state_edited_edited_edited.j
Image-empty-state_edited_edited_edited.j
Image-empty-state_edited_edited_edited.j
Image-empty-state_edited_edited_edited.j
Image-empty-state_edited_edited_edited.j
Image-empty-state_edited_edited_edited.j
Image-empty-state_edited_edited_edited.j
Image-empty-state_edited_edited_edited.j
  • Instagram ícone social
  • Facebook

Deseja anunciar a sua marca, colocar um classificado ou conversar conosco?
Envie já o seu email para: jornalestanciadeatibaia@gmail.com
Whatzapp. (11) 4411 2930

O Jornal Estância de Atibaia está no Facebook também. CURTA nossa Pagina.

Jornalista: Fernanda Pongelli dos Santos Papini © 2020 Jornal Estância de Atibaia. Orgulhosamente criado por mariavaisemasoutras.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now