WhatsApp Image 2022-08-05 at 15.21.46
WhatsApp Image 2022-08-05 at 15.21.46

Algodão Doce Kids & Baby

press to zoom
Procura Dobby
Procura Dobby

A Procura por Dobby

press to zoom
Seguros
Seguros

seu Seguro esta Aqui

press to zoom
WhatsApp Image 2022-08-05 at 15.21.46
WhatsApp Image 2022-08-05 at 15.21.46

Algodão Doce Kids & Baby

press to zoom
1/11

Jô Soares morre aos 84 anos em São Paulo


Jô Soares morre aos 84 anos em São Paulo
Jô Soares morre aos 84 anos

JORNAL ESTÂNCIA DE ATIBAIA

Por Vitor Abdala


Funeral será apenas para a família e amigos


O autor e ator Jô Soares morreu na madrugada de hoje (5), aos 84 anos, em São Paulo. Ele estava internado no Hospital Sírio Libanês. A informação foi divulgada por Flávia Pedras Soares, em sua conta no Instagram. Ela foi ex-mulher do artista.

Segundo Flávia, o funeral será apenas para família e amigos próximos. José Eugênio Soares, o Jô Soares, nasceu em 16 de janeiro de 1938, no Rio de Janeiro, filho do empresário paraibano Orlando Heitor Soares e de Mercedes Leal Soares. Sua estreia como ator ocorreu no filme O Homem do Sputnik, filme de Carlos Manga. Jô escreveu roteiros para programas de televisão em emissoras como as TVs Continental, Record e Globo. E também atuou em diversos programas humorísticos das TVs Tupi, Record, SBT e Globo.

Viva o Gordo

Entre os shows televisivos que comandou mais estão o humorístico Viva o Gordo e seus programas de entrevistas Jô Soares Onze e Meia, no SBT, e Programa do Jô, na Globo. Este último ficou no ar por 17 anos, de 2000 a 2016. Jô Soares também se aventurou na literatura, publicando romances como O Xangô de Baker Street, O Homem que Matou Getúlio Vargas, Assassinatos na Academia Brasileira de Letras e As Esganadas.

Sobre o ex-marido, Flávia escreveu: “ você é orgulho para todo mundo que compartilhou de alguma forma a vida com você. Agradeço aos senhores Tempo e Espaço, por terem me dado a sorte de deixar nossas vidas se cruzarem. Obrigada pelas risadas de dar asma, por nossas casas do meu jeito, pelas viagens aos lugares mais chiques e mais mequetrefes, pela quantidade de filmes que você achava uma sorte eu não lembrar pra ver de novo e pela quantidade indecente de sorvete que a gente tomou assistindo. Obrigada para sempre, pelas alegrias e também pelos sofrimentos que nos causamos. Até esses nos fizeram mais e melhores”, disse ela.

Edição: Kleber Sampaio