Publicado neste jornal em 27112021 as 0950hs (6).png
WhatsApp Image 2020-11-16 at 16.39.47.jpeg
ATIBAIA Notícias
WhatsApp Image 2021-12-06 at 14.47.56.jpg
WhatsApp (1)JORNALESTANCIA.png

Prefeitura de Atibaia orienta sobre medidas preventivas contra carrapatos


Prefeitura de Atibaia orienta sobre medidas preventivas contra carrapatos G1
medidas preventivas contra carrapatos

JORNAL ESTÂNCIA DE ATIBAIA


Com ciclo de vida que inclui as fases de ovo, larva, ninfa e adulto, carrapatos podem transmitir doenças ao homem e aos animais


Os carrapatos são responsáveis pela transmissão de várias doenças ao homem e aos animais. Ectoparasitas que se alimentam de sangue, quando contaminados, podem transmitir vírus, bactérias ou protozoários, causando grandes prejuízos devido à sua eficiência reprodutiva, já que seu ciclo se completa em 30 dias e cada fêmea põe de 3.000 a 8.000 ovos. A febre maculosa, uma perigosa doença infecciosa, é transmitida pela picada do carrapato, especialmente a espécie popularmente conhecida como carrapato-estrela.


O ciclo de vida do carrapato inclui as fases de ovo, larva, ninfa e adulto. Micuim, rodoleiro, carrapato-pólvora e vermelhinho são os diversos nomes populares que o carrapato-estrela recebe, de acordo com a fase do ciclo, e ele pode transmitir a doença em qualquer uma dessas etapas. Para completar seu ciclo de vida, o carrapato precisa de três hospedeiros, um para cada mudança de estágio. Pode ser o mesmo organismo nas três mudanças ou um hospedeiro diferente em cada uma delas.


Ao eclodir o ovo, o carrapato assume a forma de larva e procura um hospedeiro – mamíferos como cavalo, capivara, cachorro, rato, homem, entre outros, além de aves e répteis – para ingerir sangue. Após a ingestão, desprende-se desse hospedeiro para troca de pele, iniciando então a fase de ninfa. Nessa etapa, ainda assexuado, o carrapato busca novamente um organismo para se fixar, alimentando-se do sangue do seu hospedeiro.


Finalizada a ingestão, mais uma vez se desprende do hospedeiro e inicia uma nova troca de pele, transformando-se em adulto, momento em que torna-se macho ou fêmea. Após o intervalo de incubação, as larvas eclodem dos ovos, iniciando um novo ciclo. Cada ciclo dura, em média, entre 10 e 25 dias, contudo, caso não encontre um hospedeiro, carrapato pode ficar em hibernação por vários meses.


Ao encontrar um carrapato aderido ao corpo ou em um animal de estimação, a orientação da Secretaria de Agricultura de Atibaia é removê-lo imediatamente com uma pinça, o mais próximo possível da pele, puxando-o para fora, aplicando uma leve torção. Não se deve empurrar ou esmagar o carrapato, pois existe o risco de introduzir a bactéria contida no carrapato para dentro da pele.


O período de incubação da febre maculosa, ou seja, o intervalo de tempo da infecção até a manifestação dos primeiros sintomas, varia de 2 a 14 dias, de acordo com cada pessoa. Em geral, entre o segundo e o sexto dia, podem surgir manchas vermelhas pelo corpo, principalmente na região das mãos e pés. Além disso, pode haver outros sintomas como dor de cabeça, febre, dor abdominal, vômito, diarreia.


Embora seja o sinal clínico mais importante, as manchas vermelhas podem não aparecer, o que pode dificultar ou retardar o diagnóstico e o tratamento. Ao identificar picadas de carrapato e apresentar um desses sintomas, procure atendimento na unidade de saúde mais próxima, relatando a exposição a locais e ambientes em que possa ter tido contato com o parasita.


Prevenção

Algumas medidas podem ser tomadas para prevenir os carrapatos, como: – Aparar e cortar a vegetação rasteira, utilizando roupas de mangas longas, botas, calça comprida com a parte inferior dentro das botas, devendo utilizar fita adesiva larga para impedir a ascensão dos carrapatos. As roupas devem ser claras para facilitar a visualização dos carrapatos; – Vistoriar o corpo após frequentar áreas de mata ou conhecidamente infestadas por carrapatos; – Evitar caminhar ou frequentar áreas infestadas por carrapatos; – Os animais devem ser vistoriados semanalmente e, quando apresentarem carrapatos, devem ser tratados com indicação de médico veterinário e mantidos em local restrito, conforme orientação do mesmo.