Publicado neste jornal em 27112021 as 0950hs (6).png
WhatsApp Image 2020-11-16 at 16.39.47.jpeg
ATIBAIA Notícias
WhatsApp Image 2021-12-06 at 14.47.56.jpg
WhatsApp (1)JORNALESTANCIA.png

Vacinação contra febre aftosa ocorre até fim de maio


Atibaia
Vacinação contra febre aftosa

JORNAL ESTÂNCIA DE ATIBAIA


Prefeitura de Atibaia faz alerta sobre importância da proteção dos rebanhos; produtor tem até dia 7 de junho para comprovar vacinação


Durante todo o mês de maio está ocorrendo a campanha de vacinação contra febre aftosa, e a Prefeitura da Estância de Atibaia, por meio da Secretaria de Agricultura, reforça a importância de manter os rebanhos protegidos dessa enfermidade. Devem ser vacinados bovinos e bubalinos com idade entre zero a 24 meses.


O prazo para imunização do rebanho se encerra no dia 31 de maio e o produtor tem até o dia 7 de junho para comprovar a vacinação, segundo a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado. As declarações das vacinações devem ser realizadas preferentemente por meio eletrônico, pelo sistema Gedave ( www.gedave.sp.gov.br ).


A febre aftosa é uma enfermidade causada por vírus, sendo uma das doenças infecciosas mais contagiosas dos animais, afetando animais biungulados (de casco fendido) como: bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos. Essa doença pode acometer rapidamente criações inteiras. O vírus se dissipa pelo contato entre animais doentes e suscetíveis, e pode contaminar solo, água, vestimentas, veículos, aparelhos e instalações.


O Estado de São Paulo é reconhecido como Área Livre de Febre Aftosa com vacinação pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e pela Organização Mundial de Epizootias (OIE) e é signatário do Plano Estratégico do Programa Nacional de Vigilância para Febre Aftosa, que tem como meta principal a declaração de área livre da doença sem vacinação até 2026.


Além dos bovinos e bubalinos, é necessário declarar todos os animais de outros rebanhos existentes na propriedade, tais como ovinos, caprinos, suínos, equídeos (equinos, asininos e muares) e aves (granjas de aves domésticas, criatórios de avestruzes).


O criador que deixar de vacinar e de comunicar a vacinação estará sujeito a multas que variam de três a cinco Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (Ufesp) por animal, sendo cinco Ufesp (R$ 159,85) por cabeça que deixar de vacinar e três Ufesp (R$ 95,91) por cabeça que deixar de comunicar. O valor de cada Ufesp é de R$ 31,97 para o ano de 2022.





Edição: Bruno Papini